You are currently viewing Artigo | Tecnologia e govtechs: tendências e perspectivas

Artigo | Tecnologia e govtechs: tendências e perspectivas

Por Diogo Catão – CEO Dome Ventures

As startups chamadas ‘govtechs’ nasceram com o objetivo de trazer inovação para a gestão pública e auxiliar na economia de recursos públicos por meio de soluções tecnológicas. Elas vêm em uma crescente, visto que, segundo a ABStartups (Associação Brasileira de Startups), atualmente há no país 135 startups que se encaixam nesse modelo de atuação.  

Muitas vezes não se associa tecnologia com governo. As startups são, por sua natureza, empresas que usam de tecnologia, inovação, metodologias ágeis e novos modelos de negócio para resolver problemas específicos. Inseridas nesse ecossistema, as govtechs são startups que criam soluções focadas nos problemas do setor público. 

A partir disso, são desenvolvidas soluções para inúmeras questões e desafios enfrentados, diariamente, que facilitam e agilizam o contato do cidadão com o governo, e as entregas dos serviços públicos para a sociedade. Ilustrando isso em termos de tecnologia, há plataformas de comunicação omnichannel, sistemas de cibersegurança para a proteção e privacidade dos dados dos cidadãos, aplicativos de monitoramento e alerta em casos de emergência, sistemas que criam ambientes virtuais para o aprendizado de forma remota, ferramentas de gestão de atendimentos em postos de saúde, clínicas e hospitais e tantas outras.  

Tendências para o futuro de soluções Govtechs

Colocando em perspectiva, há ainda muitas novidades para chegar. Entre elas, as soluções para o Governo Aberto, promovendo a descentralização e o acesso a dados e transparência ao cidadão. Assim, sistemas e plataformas de dados, com dashboards visuais, vão auxiliar na tomada de decisões, participação social e combate à corrupção. A disponibilização e a transparência dos dados empoderam a população na identificação de como os governos podem melhorar seus serviços e encoraja a participação dos cidadãos em deliberações democráticas, esforços de planejamento comunitário e criações de políticas públicas. O intuito do Governo Aberto é habilitar a população para que ela consiga visualizar, em tempo real, tabelas e gráficos visuais das informações públicas. 

Outra novidade que vem sendo aguardada e estudada é o metaverso, uma espécie de ambiente virtual imersivo, que une o físico ao digital de forma coletiva e proporciona possibilidades que quebram barreiras para a inovação e avanços em diversas frentes da sociedade, como o futuro do trabalho, saúde, educação, comunicação e em várias outras questões de impacto social.

Por falar em impacto social, cada vez mais soluções vão nascer com o propósito de combater as mudanças climáticas e a destruição de recursos naturais, pensando sempre no desenvolvimento sustentável. Assim, temos startups que pensam em formas de contribuir para o consumo racional e a distribuição de energia através de fontes renováveis, como a energia solar, eólica e de biodiesel. 

Com fartura de tecnologias, é difícil prever uma que seja mais inovadora para ser utilizada nas govtechs, uma vez que isso varia conforme as necessidades apresentadas pelas instituições públicas e o orçamento disponibilizado.  

Inovações que o ecossistema Govtech pode oferecer para a sociedade

Uma das possíveis soluções inovadoras para atenuar os problemas de escassez de fontes de energia elétrica, degradação do meio ambiente e altos preços pelas concessionárias, atualmente, seria uma plataforma de marketplace de energia, conectando produtores de energias renováveis com consumidores. Entretanto, isso seria apenas uma fotografia do momento, visto que as tecnologias vêm se desenvolvendo de forma constante, acelerada e não uniforme em diversos locais do mundo.  

Outras inovações utilizadas por govtechs são as que unem hardwares e softwares de coleta de dados para a criação de cidades inteligentes. Sensores e demais equipamentos podem ser espalhados por diversas localidades das cidades para, por meio de captura de dados, facilitar o gerenciamento de recursos públicos e usá-los de maneira mais eficiente, reduzindo custos, aumentando a qualidade dos serviços públicos, amenizando danos e melhorando a comunicação entre população e governo. Cidades inteligentes aliam tecnologias da informação e comunicação (TICs) que passam pelaIoT (internet das coisas) e IA (inteligência artificial). 

Em linhas gerais, a aposta das govtechs está no Governo Aberto, para que ele traga transparência, cidades mais inteligentes, usando tecnologias de IoT e IA; e o famigerado metaverso. O futuro, por mais distante que pareça, está acontecendo agora.

Artigo originalmente publicado em coluna no portal MTI Tecnologia, no dia 08/03/2022:  https://www.mtitecnologia.com.br/tecnologia-e-govtechs-tendencias-e-perspectivas/

Deixe um comentário